Witzel pede que Alerj ‘não cause sobressaltos no empresariado’

Rio – O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse nesta segunda-feira, 3, em discurso para empresários, que está conversando com os deputados estaduais para fazer com que a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) “não cause sobressaltos no empresariado”. Segundo ele, o governo do Estado não quer ser “sócio nem cúmplice” do setor privado.

Com os quatro últimos ex-presidente presos, a Alerj votou nos últimos anos medidas que impactaram diretamente nos investimentos, como o fim de isenções fiscais. “(A Alerj) não pode votar projeto que dê ao mercado a ideia de que não tem segurança jurídica. Não atrapalhar, já é uma grande ajuda”, afirmou.

Witzel prometeu um ajuste de R$ 1 bilhão no primeiro ano de governo com o custo da estrutura administrativa, com a ocupação de imóveis que já são do Estado e a redução nos gastos com aluguéis. “Só o edifício do Detran, que vamos entregar, gera uma economia de R$ 40 milhões”, exemplificou.

Na área de segurança, prometeu ampliar o patrulhamento de ruas batizado de Segurança Presente, que é custeado com recursos da iniciativa privada. Segundo o governador eleito, o modelo de parceria permite fazer contratação adicional na área, já que a situação fiscal do Estado não permite ampliar os efetivos das polícias.

“Serão instaladas 30 mil câmeras com reconhecimento facial e de placas em todo o Estado. Com isso, teremos segurança mais efetiva”, garantiu, reafirmando que irá pedir prorrogação do decreto de Garantia de Lei e da Ordem (GLO).

Witzel defendeu as parceria público-privadas (PPPs) na área de saúde, em um modelo com 35 anos de concessão. A ideia, disse, é oferecer as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) em lote e integradas aos hospitais. “Estou conversando com o Banco Mundial Espero apresentar o projeto no início do governo”, disse. O governador eleito participa de almoço promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais Lide. 

FONTE: O DIA online