Servidores falam em ânimos acirrados após transferência da data de votação de projetos

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado do Rio (Muspe) confirmou que o ato previsto para amanhã, às 10h, em frente à Alerj, está mantido, mesmo com a alteração feita pela Casa, transferindo a votação dos projetos que afetam os servidores para quarta-feira, dia 14. Entre os líderes do movimento, o adiamento vai acirrar os ânimos dos trabalhadores. Os funcionários acreditam que a mudança de data pretende desestimular a manifestação já programada.

 

Previsão de utilizar 500 agentes para evitar invasões

 

Segundo pessoas que estão envolvidas com o dia a dia da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), mais de 500 agentes da Polícia Militar e da Força Nacional farão a segurança do parlamento contra manifestaçõesdurante a votação de quarta-feira. Segundo a PM, estarão na operação o Batalhão de Grandes Eventos, o Batalhão de Choque, o Regimento de Cavalaria, o Batalhão de Ação com Cães, o 5º BPM (Harmonia), o 6º BPM (Tijuca), o 4º BPM (São Cristóvão), o 3º BPM (Méier), o 23º BPM (Leblon) e o 2º BPM (Botafogo).

 

De acordo com alguns deputados, não haverá operação especial na chegada ao Palácio Tiradentes. A tendência é que boa parte dos 70 parlamentares chegue cedo à Alerj. Às 9h, está marcado o início de reunião que escolherá os projetos que serão analisados. As votações estão marcadas para as 13h, em sessão extraordinária.

FONTE: EXTRA.GLOBO.COM