Enquanto Pezão ‘espera’ o Congresso, servidores seguem sem previsão para receber

Foto: Halley Pacheco de Oliveira

É difícil apontar no horizonte um prazo para que a situação dos servidores do Estado seja normalizada. Ontem, a Câmara dos Deputados retirou de pauta a discussão do projeto de Recuperação Fiscal dos Estados. Além das incertezas sobre o texto, a prisão de membros do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE) desfez qualquer ambiente favorável para a aprovação do projeto. A previsão mais otimista, neste momento, é de uma possível discussão na próxima quarta-feira, dia 5 de abril. A mais pessimista sequer aponta uma data para votação.

Entre os deputados federais e integrantes do governo, é impensável apontar um prazo para que o Estado do Rio pague o 13º salário que está atrasado, regularize a folha de fevereiro e pague as pendências sobre horas extras e bonificações.

Os que arriscam uma data, lembram que o projeto, além de passar pela Câmara, vai ao Senado e precisará ser sancionado pelo presidente Michel Temer. O cálculo otimista é de 20 dias a um mês de espera.

Somente após esse processo, é que o Estado do Rio estará livre dos bloqueios feitos pela União, de pagar dívidas com o Tesouro Nacional e, principalmente, para obter novos empréstimos. Enquanto isso, o governo segue sem previsão de anunciar como vai pagar o salário de fevereiro a quem não recebeu. E a agonia com o “atraso” só aumenta.

FONTE: EXTRA.GLOBO.COM