‘Temos que reduzir gastos em todos os poderes’, diz deputado

Rio – Em meio ao caos que tomou o Centro do Rio nesta quarta-feira – com a repressão da PM aos servidores que protestam contra o pacote de medidas de austeridade do governo – o deputado Flavio Serafini (Psol), criticou os altos gastos de todos os poderes e disse que o estado vive uma “crise de governabilidade”.

“Hoje, o que temos no Rio, além de uma crise financeira, é uma crise de governabilidade. Temos hoje uma democracia que se sustenta pela força. Dentro da Alerj vemos cães da polícia para fazer a segurança de quê?”, questionou o deputado.

Serafini disse que o pacote do governo cria medidas que penalizam o servidor e a população em geral, mas que – em sua opinião – o estado não reduz gastos. E incluiu nessa crítica o Legislativo também.

“O quadro é de instabilidade. Essas medidas (do pacote) elevam a tensão. E agora o governo não consegue administrar”, disse. “Precisamos fazer a redução de gastos de todos os poderes. Aqui na Alerj, por exemplo, como gastos com gasolina e com pessoal também (com redução de comissionados). Isso em todos os setores. Não dá para uma parcela de servidores ficar sem salário e outros poderes como se não tivessem nada a ver com essa crise. O Estado do Rio não pode ser muito rico para alguns e falimentar e miserável para outros”, declarou.

Além disso, o deputado apontou algumas ações que poderiam ser adotadas como alternativa à taxação e adiamento de reajuste de servidor. “O governo tem que rever as isenções fiscais, que, segundo o TCE, levou o estado a perder mais de R$ 140 bilhões em receita. E temos que abrir o debate da dívid apública. Temos uma dívida que compromete mais de 15% do orçamento mensal.”

Salário do Pezão

Começa nesta quarta-feira na Alerj, o calendário de discussões do pacote de medidas de austeridade do governo que promete muita polêmica e protesto de servidores. Ao todo, Pezão enviou 22 propostas, sendo que uma — de criação de taxa extra de contribuição previdenciária — foi devolvida ao Executivo. O prédio da Casa está todo cercado por grades e o policiamento está reforçado para coibir atos e ocupação da Assembleia.

Nesta quarta, a Alerj inicia os trabalhos com discussões do projeto que reduz o subsídio do governador e do texto que trata das Requisições de Pequeno Valor (RPVs), a Mensagem 50. O texto propõe baixar de 40 para 15 salários mínimos as RPVs e que todas as condenações com valores maiores que 15 mínimos sejam pagas por precatório.

FONTE: O DIA online