Servidores são proibidos de ocupar galerias da Assembleia

 

Com as contas estaduais de 2016 pautadas para esta quarta-feira (13), as galerias do Palácio Tiradentes ficaram completamente vazias.

Questionado pelos parlamentares Eliomar Coelho (PSOL) e Waldeck Carneiro (PT) sobre o motivo de servidores do estado terem sido impedidos de acompanhar a sessão, o presidente em exercício da Assembleia, André Ceciliano (PT), respondeu que foi uma recomendação da segurança da Casa.

Segundo as contas de quem passou por lá, cerca de 20 pessoas queriam acesso ao plenário.

Já na terça (12), quando foram apreciados os vetos do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), havia mais de 300 pessoas nas galerias, entre moradores de Angra dos Reis e Ilha Grande e policiais civis.

Os grupos estavam no prédio para acompanhar dois textos, que acabaram promulgados pelos deputados: o PL 1.733/2012, que autoriza o governo a alienar imóveis em Ilha Grande para funcionários do presídio que funcionou no local; e o PL 1.942/2016, que passa a exigir diploma superior nos concursos ao cargo de investigador da Polícia Civil.

Leia abaixo a nota oficial da Assembleia:

“A decisão de não ocupar as galerias da Alerj na sessão plenária desta quarta-feira (13/09) foi tomada pela presidência, por recomendação da segurança da Casa, amparada em informações de que poderia haver atos violentos nos protestos – e que, portanto, não haveria como garantir a integridade física de deputados, assessores, servidores, imprensa e demais presentes”.

Fonte : Jornal Extra