Sem divulgar na agenda oficial, Witzel se encontra com André Ceciliano

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), e o presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), se encontraram na noite de quinta-feira passada (dois dias depois da posse), no Palácio Laranjeiras, e selaram o acordo para a disputa da Presidência da Assembleia. O apoio de Witzel teve o martelo batido nesta reunião reservada fora da agenda oficial.

Além dos dois, havia mais cinco pessoas na negociação: o vice-governador Cláudio Castro (PSC); os deputados Márcio Pacheco (PSC) e Rodrigo Amorim (PSL); o secretário de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego e Renda, Lucas Tristão; e o chefe de gabinete de Witzel, Cleiton Rodrigues.

A ponte

Quem levou Ceciliano até Witzel foi Márcio Pacheco, que, dias antes, retirou a sua candidatura e aderiu à campanha do petista. Em troca, Pacheco ganhou o direito de comandar as comissões de Constituição e Justiça e de Orçamento.

A garantia

Ceciliano garantiu que, sendo presidente, Witzel não enfrentará problemas para aprovar projetos. Amorim questionou a decisão do governador, sem sucesso. “Eu quero ficar em paz”, argumentou Witzel.

Enquanto isso…

O senador eleito Flávio Bolsonaro e a bancada do PSL ainda não têm um nome para a chapa alternativa a Ceciliano.

Perder ganhando

No PSL, mesmo sabendo que hoje a derrota é certa, abancada indicará alguém para concorrer. A ideia é “sair pela porta da frente”. Ou seja: manter o discurso ideológico nos debates sem se curvar a um deputado do PT.

A fiscalização

E tem gente no PSL já no pé de Witzel: a deputada estadual Alana Passos, xodó de Jair Bolsonaro. Ela cobra explicações do governador sobre contratos firmados pela Imprensa Oficial, caso revelado aqui.

O confronto

“O mínimo a ser feito é abrir sindicância”, diz ela.

Público e privado

Bruno César Masiero Rigo, nomeado por Witzel subsecretário executivo na Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego e Renda, é um dos sócios da Sá Cavalcanti, a gigante do mercado imobiliário.

Boletim médico

Jorge Picciani (MDB), ex-presidente da Alerj, terá defazer uma nova cirurgia por causa do câncer na bexiga. Ele passou muito mal recentemente.

Segue…

A saúde de Picciani piorou dentro da cadeia. Por decisão do Supremo Tribunal Federal, ele cumpre prisão domiciliar desde março do ano passado.

Será que dá?

Os advogados de cinco deputados estaduais presos na Operação Furna da Onça correm contra o tempo para tirar os clientes do presídio Bangu 8.

Exonerados

Reeleitos, os parlamentares têm até o fim deste mês para serem soltos. A partir de fevereiro, todos os assessores dos gabinetes serão exonerados automaticamente com o início da nova legislatura.

Mundo pequeno

O novo advogado do ex-governador Sérgio Cabral (MDB),Márcio Delambert, advogou para… Álvaro Lins, ex-chefe de Polícia Civil de Garotinho e Rosinha.

FONTE: O DIA online