Movimento dos Servidores pressiona por suspensão do pacote de Pezão

Rio – O primeiro item do documento entregue pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Rio (Muspe) aos deputados da Alerj na terça-feira passada pede a retirada da pauta integral e imediata do pacote de austeridade do governo. E, amanhã, o Muspe se reunirá novamente, às 9h30, com o presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB), e líderes partidários para cobrar resposta sobre a devolução do pacote ao Executivo. Se o pedido não for atendido, sindicalistas prometem greve geral em 7 de dezembro.

E, meia hora após o início da reunião, que ocorrerá dentro da Alerj, do lado de fora, o Muspe comandará um ato com todas as categorias.

Integrante do movimento e diretor do SindJustiça, Ramon Carrera afirma que não há como aceitar a continuidade das discussões dos projetos de lei. “Não há negociação nesse sentido. Se a Alerj não retirar o pacote, vamos convocar as categorias para greve geral”, declarou Carrera. “Todo o pacote é ruim. Não há como aceitar nada”, completou Alzimar Andrade, também do Sind-Justiça e do Muspe.

Os sindicatos da área de Segurança ainda não sabem como aderir ao movimento, já que são impedidos de fazer greve. Os líderes sindicais, porém, pensam em alguma forma de mobilização para se juntar às outras categorias.

Outro item sugerido pelo Muspe para aumentar a arrecadação é a suspensão das isenções fiscais a empresas inscritas na Dívida Ativa e que não comprovam contrapartida. Além disso, pleiteia o cancelamento de decretos que concederam os benefícios fiscais, já que não passaram pelo aval do Parlamento.

O Muspe também quer a redução imediata de cargos comissionados e extra-quadros em 50%, em todos os poderes. Os sindicatos pedem também a limitação do uso de carros oficiais e venda dos helicópteros de uso exclusivo das autoridades.

FONTE: O DIA online