Governo do Rio indica a técnicos da União manutenção do plano de privatizar a Cedae

Foto: Halley Pacheco de Oliveira

Ainda no aguardo do estudo técnico que irá basear o processo de privatização da Cedae, o governo do Rio deu a entender a integrantes do ministério da Economia de que não pretende alterar a previsão de venda da companhia. Pelo acordo firmado em 2017, o Rio irá se desfazer de todas as ações que possui para bancar o empréstimo de R$ 2,9 bilhões obtido para pagar salários atrasados dos servidores.

O Estado tem até o final de 2020 para realizar o processo de privatização. A conta final gira em torno de R$ 3,8 bilhões, já que juros serão aplicados ao contrato. Valores excedentes servirão para pagar a dívida do Rio com a União. Caso decida manter a Cedae, o Rio terá que bancar o empréstimo de outra forma.

O governo do Rio ainda aguarda a modelagem para o procedimento de privatização. O trabalho é liderado pelo BNDES, que realizou uma licitação para definir o consórcio responsável pelo planejamento. Havia a previsão da divulgação de um relatório no final de 2018 para detalhar como anda o procedimento, mas isso ainda não foi feito.

A Cedae segue incluída no Regime de Recuperação Fiscal em função de uma determinação do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ). Em dezembro de 2018, a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) derrubou o aval a privatização. O Estado recorreu a Justiça e conseguiu uma liminar, após análise do Órgão Especial do TJ-RJ para que o aval seguisse válido.

FONTE: EXTRA.GLOBO.COM