Estado do Rio pode excluir mais de 29 mil pessoas da folha de pagamentos

Foto: Halley Pacheco de Oliveira

Todas as pessoas que não fizeram recenseamento correm esse risco

Quase 30 mil pessoas correm risco de serem excluídas da folha de pagamentos do Estado do Rio de Janeiro. Ao todo, 29.453 funcionários ativos, aposentados e pensionistas deixaram de participar do recenseamento que começou em novembro de 2018 e foi até outubro deste ano. A única chance para evitarem a perda do vínculo com o Poder Executivo fluminense é o comparecimento em qualquer agência do Bradesco no país.

O servidor, o inativo ou o beneficiário de pensão deverá apresentar à unidade bancária todos os documentos exigidos — como Identidade, CPF, comprovante de residência — e, assim, garantir sua permanência na folha do estado.

Aliás, vale ressaltar que, desse total, cerca de 20 mil pessoas já não vão receber o pagamento do salário de novembro — que será quitado no próximo dia 13. Esse grupo deixou de realizar o censo entre novembro do ano passado e setembro de 2019.

Já aqueles servidores que deveriam ter feito a atualização cadastral em outubro e não marcaram presença no banco naquele período vão receber o próximo pagamento (referente à folha de outubro). Mas, ao mesmo tempo, correm o risco de ter os vencimentos de dezembro (pagos em janeiro) retidos caso não façam o recenseamento na agência bancária — ainda que fora do prazo.

O censo foi uma das medidas previstas no Plano de Recuperação Fiscal do Rio para a auditoria da folha de pagamentos do Poder Executivo e combater fraudes. E mesmo que tenha acabado, outras ações serão implementadas no ano que vem.

Último dia bancário

A orientação, agora, é a seguinte: quem não fez a atualização de dados terá até o último dia bancário deste ano para acertar a situação em qualquer unidade do Bradesco. Todos os vencimentos que ficaram retidos serão pagos de uma vez para quem regularizar o cadastro.

Passado esse período, cada caso será verificado de forma individual. E, em 2020, o governo fluminense vai bater o martelo sobre o destino desses vínculos. Há, por exemplo, sinalizações de que muitos casos são de ‘funcionários fantasmas’. Em outros, houve falta de comunicação do falecimento do aposentado ou pensionista.

Documentos exigidos

Todos devem levar Identidade (original ou cópia autenticada), CPF, comprovante de residência dos três últimos meses (pensionistas adolescentes que não possuírem em seu nome terão que apresentar declaração assinada pelo titular do endereço onde residem); PIS/PASEP (só para ativos e inativos); título de eleitor ou e-título e Carteira de Trabalho (para empregados públicos). Além disso, beneficiários de pensão que não possuírem RG deverão levar certidão de nascimento.

FONTE: O DIA online