Alerj sugere cortes de até R$ 31 milhões em suas despesas

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou, ontem, um pacote que poderá gerar uma economia de R$ 31,6 milhões por ano. O valor representa 3,3% do orçamento da Casa, que deverá ser de R$ 1 bilhão em 2017. Algumas medidas já entraram em vigor. Outras serão votadas em plenário nas próximas semanas.

Entre as medidas já aprovadas estão o corte de 25% das vagas da Alerj no terminal Menezes Côrtes (edifício-garagem), o que acarretará uma economia de R$ 550 mil por ano, e o fim da publicação de discursos no Diário Oficial, o que deverá gerar um alívio de R$ 2 milhões anuais. Outra proposta que entrou em vigor é o corte da cota de selos de R$ 1,5 milhão, a diminuição do gasto com cartão-combustível à metade (R$ 1,5 milhão) e a não contratação de bufês para poder salvar outros R$ 50 mil anuais.

As medidas que viraram projetos de lei e vão a plenário são a não renovação dos carros da Casa a cada dois anos e a cessão da frota à Secretaria de Segurança em 2019. Se forem aprovados, a economia total será de R$ 8,5 milhões.

A proposta que prevê o maior corte também passará pelo crivo dos deputados: a extinção de sessões solenes à noite, com uma economia projetada de R$ 18 milhões por ano. Segundo o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), os funcionários fazem de quatro a cinco horas extras por dia. As sessões passariam para as manhãs, das 9h ao meio-dia.

— A economia não é significativa, mas conta o simbolismo. É um exemplo a ser dado e uma cobrança para os outros Poderes — disse o presidente, que alega ter cortado R$ 180 milhões em 20 meses.

Ontem, também foi formada uma comissão para propor, num prazo de dois meses, medidas para melhorar a eficiência e a acessibilidade do Portal da Transparência da Alerj.

FONTE: EXTRA.GLOBO.BR